24/09 – Sexta-feira

A sexualidade como uma arte

Muitas são as formas de viver a  sexualidade. Cada cultura e cada época influenciaram nossa experiência erótica, permitindo, expandindo em alguns casos, reprimindo em outros. Às vezes a transformaram em pornografia, bela, em outras em abuso e pecado.  

Desde o século 19 a sexualidade do oriente nos fascina com o kama sutra, a fantasia do harém e das gueishas.  E mais recentemente, o tantra. 

Neste encontro vamos olhar para este contexto,  conhecer o que podemos aprender com o  legado refinado que algumas culturas deixaram, mas acima de tudo, vamos olhar para nós. Como vivemos nossa sexualidade.

Facilitadora: Maria Soledad

25/09 – Sábado

O movimento como combustível para libertar a sexualidade.

Por meio da prática de yoga, onde serão incluídos movimentos da dança clássica indiana Odissi, vamos despertar o corpo à sensorialidade e consequentemente à sexualidade como forma de reconhecimento de seu poder pessoal.

Facilitadora: Daniela Aguas

Presente: lista de música

Uma visão Sistêmica da sacralidade que nos habita.

Nesta oficina iremos vivenciar o momento sagrado da nossa criação. Descobrir quão sagradas somos.

Através dos conhecimentos ancestrais e vivências sistêmicas, vamos explorar nossos centros energéticos, nossa sexualidade, nosso poder de amar e de transcender experiências.

Ao reconhecer que nascemos do sexo e que este é um ato sagrado, podemos nos abrir para a sexualidade como uma fonte de amor e vida.

Vamos acessar nosso poder pessoal, alinhando nosso prazer, amor próprio e conexão com o Divino Feminino.

Facilitadora: Adriana Casonato Portugal

Presente: Uma imagem em PDF para continuar a se conectar com a fonte da vida, sempre que desejar.

Na nossa cultura existe uma dissociação entre a mãe e a mulher. A mulher ao tornar-se mãe, é sistematicamente  invisibilizada assim como em outras áreas da vida – como a profissional, a acadêmica, a espiritual, como se ambos os papéis não fossem autorizados a coexistir.

É possível integrar o prazer, a sensorialidade, o eros,  à maternidade? Tornando-a não uma fonte de cansaço, dor, culpa, sensação de insuficiência, mas em um aspecto natural da existência quando assim escolhido, orgânico e cheio de vida? Possível renascer junto à maternidade, sem se fragmentar, sem se perder? Respeitando nossos ciclos, sem precisarmos ser mulheres maravilhas com mais demandas. 

Nesse workshop falaremos sobre 7 aspectos que são base para essa integração da mãe e da mulher, para uma vida mais prazerosa e uma maternidade mais leve.

Facilitadora: Tassia Felix

26/09 – Domingo

Sexualidade e curiosidade: de volta ao paraíso!

Alguns mitos sobre a origem do mundo trazem a história de Lilith, Eva e Adão. Lilith a primeira mulher a surgir, foi banida em razão de sua liberalidade sexual. Eva, a segunda, embora tenha sido criada para submissão, foi acusada de curiosidade em demasia, provando o fruto da árvore do conhecimento e nos levando à expulsão do paraíso.
Nesta oficina refletimos sobre as crenças limitantes instituídas em nossa consciência a partir desses mitos que regem nossos pensamentos, gerando medos e inseguranças. Ressignificando nossa relação com a sexualidade e a curiosidade com base na força que advém das primeiras mulheres da história.
Por meio de um exercício sistêmico seremos conduzidas a resgatar o poder ancestral de nossa linhagem matriarcal.

Facilitadora: Cláudia Araújo

Presente: Áudio com exercício sistêmico para reconexão com a linhagem ancestral materna

O que o parto tem a ver com a expressão da minha sexualidade?
O que é parto auto assistido?

Você conhece alguém que experienciou um nascimento livre (“freebirth”)?

Será que a sua história de concepção, gestação e nascimento influenciam/influenciaram no desabrochar da sua sexualidade?

Vamos mergulhar, juntas, na nossa história, nesta perspectiva libertadora e trocar profundas experiências!

Facilitadora: Mafe Cavinato

 

27/09 – Segunda-feira

Tua criança está pronta para ser curada

A nossa experiência com a sexualidade começa na infância. Nossos pais nos transmitem suas crenças, experiências e também suas dores. O corpo muitas vezes é visto como  sujo, sobretudo certas partes … Ocultadas em alguns casos, omitidas em outros, objeto de piadas em outros. O eros talvez estivesse presente em casa, e havia um espaço para o prazer, a criatividade, mas  muitas vezes isso  não aconteceu. E isso deixou marcas, feridas que carregamos na nossa vida adulta. Assim como o modelo de relacionamento dos nossos pais. Eles se namoravam no cotidiano? Eram apenas pais? Se tratavam com carinho? Essas perguntas e reflexões nos dão pistas sobre nossas feridas, tema desta oficina

Facilitadora: Ilse Delurdes Basei

Venha mergulhar nessa poderosa sacralidade de ser mulher!

Não é novidade que vivemos sob os valores de uma cultura patriarcal. Apesar de muitos movimentos e transformações do passado, a mulher acaba se rendendo ao estilo de vida predominante de acúmulo de tarefas, pressionada a copiar o modelo masculino de gestão, competição, e força para conquistar um espaço.

Tudo isso gera desarmonia, inquietação, mas também a busca por soluções. E é em si mesmas que as mulheres podem encontrar o poder e o equilíbrio para influenciar o seu mundo.

O patriarcado separou a sexualidade feminina do sagrado. Fragmentou e enfraqueceu a mulher. Esse conceito distorcido, corrompeu completamente nossa essência.

Já está na hora de olharmos para dentro de nós e resgatarmos esse poder.
Venha fazer esse mergulho!

Facilitadora: Arlene Angelo

Presente: lista de música

28/09 – Terça-feira

Os segredos e mistérios do oriente para uma sexualidade plena

Muito temos a aprender sobre a sexualidade em outras culturas, entre elas as orientais. Ao contrário do imaginário do ocidente, o oriente aborda este tema com muita naturalidade há séculos. Nesta oficina iremos, em um primeiro momento, trazer a contextualização da sexualidade no oriente. Em um  segundo momento, abordando de maneira prática,  falaremos sobre o que as representações da gueixa e do samurai podem nos revelar sobre os encantos e ao mesmo tempo limites para nossas relações.

Facilitadora: Fabiana Higa

Provocar através do olhar e se ver com tesão.

Manda nudes é uma oficina de fotografia que tem como objetivo principal o de soltar a imaginação para fazer fotos mais sensuais de si mesma como exercício. Além de experimentar um olhar diferente sobre si mesma.

Pode se aprender a arte dos nudes? Sim!

Podemos aquecer uma relação com fotos? Será que essas fotos são feitas só para os outros?
Como se ver com mais liberdade, leveza e desejo?

Seu corpo merece ser olhado de uma nova forma e você também.

Facilitadora: Nath Gingold

Presente: Pdf de apresentação e uma lista de músicas

29/09 – Quarta-feira

O meu corpo e o corpo do outro na dança a dois

Mão na mão, corpo colado, alternância de ritmos, vozes sussurrantes.

Você já conhece os benefícios e a delícia  de dançar a dois?

A dança a dois  fala muito de como nos relacionamos com um parceiro no dia a dia e também na cama.

Nesta oficina,  que tem como tema a  dança a dois,  vamos aprimorar como nos conectamos nos  relacionamentos. Vamos ampliar nossa capacidade de estarmos disponíveis para nossos relacionamentos para além das relações afetivas-sexuais. Ela nos permitirá reconhecer nossas reais necessidades de  expansão na expressão dos nossos afetos.

Facilitadora: Maria Amélia

Presente: lista de música

Ressexualizando a puta que pariu

A maternidade é certamente um mergulho no desconhecido e justamente por isso, é também um portal de cura para muitas dores que herdamos de nossa linhagem feminina e do nosso sistema familiar. Se tornar mãe, fala da relação com nossa mãe, nossa gestação e nossa sexualidade.

Quando a mulher perde forças para a mãe, existem indícios de que há uma criança ferida tentando resgatar algo perdido na infância. Algo que insiste em dizer que não sou uma mãe suficiente, que meu companheiro não é tão importante quanto meu filho e que eu…nem me lembro mais quem eu sou…

Nessa oficina, através da visão sistêmica e das constelações, vamos reconhecer e acolher nossa criança interna para assim buscar e autorizar nossa mulher adulta, aquela capaz de se reinventar, de entender que a sexualidade também pode seguir caminhos diferentes e ser até melhor do que antes. Sexualidade pede olhar para o futuro, buscar pelo diferente, romper barreiras. Sexualidade pede entrega, permissão, erotismo. Já não somos mais como éramos antes da maternidade, nosso corpo mudou, nosso sentir também, portanto, nada justifica ficarmos olhando para o passado esperando que tudo volte a ser como era.

Venha, juntas poderemos escrever um futuro cheio de vida e de prazer!

Facilitadora: Val Teixeira

Presente: Aula extra sobre streap tease. Somente para quem participar desta oficina em tempo real. A aula extra não ficará gravada.

30/09 – Quinta-feira

A sexualidade começa no seu corpo erótico

Como seria para nós mulheres retornar o espelho externo para a integralidade do corpo?

Como seria quebrar esse espelho e ir para um lugar de não julgamento e aceitação?

Se você não:

– se olha no espelho com amor

– aceita o seu corpo

– se coloca como prioridade para sua intimidade

– se acha bonita e nem sexy

Essa oficina é para você!

Vamos juntas por meio da dança e do corpo sentir os passos e os movimentos para o seu reencontro.

Facilitadora: Mariana Gholmia

Presente: lista de músicas

O retorno da Deusa.

Se todos(as) tivessem o conhecimento da sexualidade Sagrada todas seríamos Deusas de Verdade e de Fato na TERRA.

A Expertise da Kundalini ou Sexualidade Sagrada é um Passaporte Universal e Cósmico para vivermos uma Vida Plena Sexual em qualquer idade e sermos Co-Criadoras na nossa Existência

Facilitadora: Silvia Maria Vasconcellos

01/10 – Sexta-feira

Venha integrar Yin e Yang na sua sexualidade

Essa oficina é um convite a todas as mulheres que desejam conhecer, explorar e expandir sua sexualidade em vários níveis. Ela será vivencial e transpessoal. Para isso serão apresentados caminhos e ferramentas tântricos como respiração, meditações, exploração sensorial do despertar dos 7 chakras e dos 5 elementos da natureza.

Vamos assim percorrer uma jornada pelo corpo, pelas emoções, pelas sensações e pela intuição despertando Yin e Yang com o objetivo de integrar todas essas percepções da energia sexual desde nosso chakra básico até o sutil.

Facilitadora: Marina Mendes

Presente: PDF de apoio para ser usado após a oficina e lista de músicas.

Iansã, a guerreira sensual, ardente e feminina.

Ela é arrebatadora, sensual e provocante, mas quando ama nunca é pela metade.

Guerreira por vocação, sabe ir à luta e defender o que é seu,  não depende de ninguém, mas pode sim ser mãe, parceira, se assim escolher.

De Búfalo a Borboleta inconstante e necessária, traremos a Força de Iansã para enaltecer o divino feminino aguerrido porém sensível.

Você sentirá a face de Iansã no seu corpo, na sua yoni, no seu sentir, no seu movimento.

Facilitadora: Fabiana Machado

Presente: Lista de Música no Youtube e Spotify

02/10 – Sábado

Auto Estima, Sensualidade, Libido, Admiração pelo Próprio Corpo são componentes que potencializam a nossa Sexualidade, por outro lado os padrões de beleza inalcançáveis, expectativas de performance sexual e de orgasmos múltiplos, as pressões relacionadas à estética, 

à idade entre tantas outras, podem nos afastar dos prazeres e deleites de uma vida sexualmente plena. 

Nesta vivência, iremos experienciar um novo olhar sobre a Auto Estima verdadeira e individual de cada mulher, através de ensinamentos milenares trazidos pelas Druidisas Celtas, reconectando a liberdade de viver a sexualidade de forma plena, prazerosa, nutridora e mágica.

Facilitadora: Lisandra Coubu

A autoestima sexual é elemento crucial para nossa plenitude.

Você sabe o que limita sua autoestima sexual?

Nessa oficina olharemos para diversos fatores e comportamentos  que minam nossa autoestima, espontaneidade e confiança no sexo. Você aprenderá a lidar com isso para desenvolver relações mais plenas e satisfatórias.

Facilitadora: Eulália Oliveira

Presente: PDF com texto e uma lista de música

03/10 – Domingo

Infinita é tua beleza. Como podes ficar presa que nem santa num altar? (Raul Seixas)

Muitas são as crenças limitantes que estão no inconsciente coletivo feminino sobre sexualidade e que se instalaram no seu corpo. Desde que Eva mordeu a maçã estamos lutando contra essa ferida que nos coloca na culpa e longe do prazer.

Nessa oficina fazemos um caminho que passa pelo corpo feminino, seios, vagina correlacionado com as figuras de Eva e Maria (profano e o sagrado), unificando através do arquétipo de Maria Madalena.

Facilitadora: Vanessa Thalita Romanini Amadeu

Presente: PDF de apoio  e uma  listas de músicas

Traço forte, com pegada que deixa marca, ou aquela escrita suave que desliza e arrepia?

Como a palavra te excita?

Os nudes viraram figurinha fácil nos romances contemporâneos. Para muitos, chegam como uma fagulha de excitação bem-vinda a qualquer hora do dia ou da noite. Para outros, como uma invasão constrangedora ou banalidade sem qualquer efeito estimulante. Mas quem disse que sensualidade rima apenas com imagem?

Nesta oficina, vamos nos divertir exercitando nossa capacidade de despertar o autoerotismo através da palavra, simulando trocas de mensagens de WhatsApp com um par excitante.

Vamos juntas descobrir nossos pontos e vírgulas eróticas?

Facilitadora: Marta Nacib

Presente: PDF com indicações de leituras

Obs: Programa sujeito a alterações. Se uma oficina for cancelada, será substituída por temática semelhante.